© 2021, Grupo Matula Teatro

Linha do Tempo

2021

  • Chegada oficial da Carolina Baraglio
  • Chegada do Maurício Oliveira
  • Como se Fosse online na plataforma Sesc em Casa
  • Edital Proac LAB – EXILIUS versão audiovisual
  • Edital Proac – AGDA versão audiovisual
  • Edital Proac Trajetória de Grupo: aulas de percussão, cortejo pela Vila Santa Isabel, reestruturação da produção, reforma do Útero de Vênus e novo processo de criação!

Vacinas! No final do ano uma abertura lenta e o teatro devagar retorna devagarinho ao mundo presencial!

2020

  • Março de 2020 Matula estreia COMO SE FOSSE no SESC Jundiaí, com direção de Verônica Fabrini, trilha original de Dudu Ferraz. Em seguida começa o interminável isolamento social por conta da Covid 19…
  • Finalização do pós-doutorado da Erika
  • Pandemia Covid-19 e a vida em telas planas
  • Um viva a união dos artistas e a criação da Lei Aldir Blanc!
  • LOGO ALI- experiência cênica virtual que permite a parceria com Melissa Lopes, mesmo ela estando em terras distantes.


2019

Leituras e sala de trabalho: Alice e Erika decidem um novo projeto!

Hora da ação!

2018

  • Matula quase monta um espetáculo infantil (não foi dessa vez)
  • Quesia toma uma decisão
  • Chega Dudu Ferraz
  • Primeiro flerte com Carolina Baraglio
  • Para sobreviver a um ano terrivel, Matula comemora ‘na raça’ seus 18 anos com o projeto 18 TEMPOS PARA REAGIR
  • Erika inicia o pós doc
  • Brasil iniciou seu pior governo federal desde a democratização.

2017

  • Alice defende o doutorado
  • Matula reestrutura sua produção. A sede se transforma, a situação pede novo fôlego.

2016

  • Erika forma-se como doula: um primeiro respiro do que virá a ser o Poéticas de Si.
  • Nasce Yolanda
  • Golpe político no Brasil.
  • Circuito Sesc de Artes – JOGOS CORTAZIANOS
  • Melissa vai para Natal
  • Erika defende o doutorado
  • Ganhamos o Proac Montagem e estreamos UM CONTO INFINITO, adaptação do texto de Julio Cortázar. Parceiros antigos e novos se encontram aqui: Marcelo Lazzaratto, Cássio Pires, Andre Abujamra, Dirceu de Carvalho.

2015

  • Recebemos o edital PROAC Território das Artes em projeto junto com a Boa Companhia e realizamos POÉTICAS DA VILA, com artistas residentes peripatéticos espalhando belezas pela Vila Santa Isabel, bairro sede de ambos os coletivos.
  • Proac Circulação: apresentações de IMAGO – UMA LUA NÁGUA  e estreia da Intervenção JOGOS CORTAZIANOS, além de intercâmbios com coletivos do interior paulista


Jogos Cortazianos – Instruções para Desaparecer

  • Chegada da Thaís Tkatchuk.

2014

  • Erika radioativa ativar!
  • Brasil 1×7 Alemanha
  • Matula realiza uma parceria com Claudia Echenique e estreia IMAGO – UMA LUA N’ÁGUA.
    Entramos em catarse com a ideia de uma produção criada a partir de um crowdfunding.


2013

  • O projeto Feminino, o Verso e a Cena (AGDA e PASSAGENS) vai para Évora, Portugal, contemplado pelo Edital de Internacionalização do extinto Ministério da Cultura


Mulheres em Évora

  • Matulas mergulham em sala de trabalho: jogos, improvisações e inúmeros experimentos performativos.
  • Uma Matula precisa de cuidados, pequena pausa nos trabalhos.


2012

  • Chegada da Quesia Botelho na produção
  • Alice defende o mestrado
  • Projeto Circo K: três espetáculos, uma lona, treze artistas em cena, seis pessoas na produção, temporada lotada e inesquecível, realizado através do edital PROCULTURA, do Governo Federal.
  • Edital Formação de Público (PROAC): circulação repertório Hilda Hilst e oficinas pelo interior paulista
  • Erika vai para os acampamentos de refugiados Saharauis e inicia seu doutorado.

2011

  • Chegada do Bruno Cardoso e da Erika Cunha
  • Estreia AGDA, adaptação de um conto de Hilda Hilst. Parceria com a Boa Companhia, trazendo Veronica em cena conosco e Moacir na direção.
  • Estreia de PASSAGENS no Circuito Sesc de Artes.
  • Erika vai para Itália, militância, arte e educação – Parceria Associação Jaima Sahrawi
  • Estreia Exilius, em sua primeira versão e em terras italianas


EXILIUS

  • Nasce Antonio


2010

  • Estreia CHUVA PASMADA, adaptação da obra de Mia Couto, inaugurando a aventura de adaptação de obras literárias para o palco. Co-produção com Eduardo Okamoto, direção de Marcelo Lazzaratto e dramaturgia de Cássio Pires.
  • Chegada de Natália Cogo e Anna Kuhl na produção
  • Estruturação da área de comunicação: Tati Mayumi

2009

  • Circulação Gran Circo Máximo
  • Alice Possani e Melissa Lopes, juntas, levam a lona para diversas cidades e festivais do país!
  • Parcerias importantes na produção do grupo: Daniele Sampaio, Naiane Beck e Larissa Biasoli.

2008

  • Profissionalização da Produção do Grupo
  • Inauguração do Espaço Cultural Rosa dos Ventos, que até hoje abriga as práticas do Matula e de artistas parceires.
  • Estreia de GRAN CIRCO MÁXIMO, realizada com Edital FUNARTE, do Governo Federal.


Gran Circo Máximo


2007

  • Estreia de QUERÊNCIA: o olhar da cidade muda-se para o campo.
  • Parceria importante com Carolina Romano

2006

  • O primeiro edital a gente nunca esquece: Copa da Cultura (MINC), para apresentações em Berlim, Alemanha!
  • Sem que soubéssemos, Erika também estava nas geladas terras germânicas e quase nos encontramos! Mas ainda não era a hora…


2005

  • Saída de alguns integrantes e entrega da primeira sede…
  • Mudanças, lágrimas, abraços. A vontade de seguir em bando permanece e Matula transforma-se. A primeira grande reestruturação interna do grupo.

2004

  • Estreia VERSÃO VIDA CRUEL
  • A rede Matula se amplia: o primeiro dos muitos projetos em parceria com a Boa Companhia: UM ARTISTA DA FOME

Um Artista da Fome

2002

Inauguração da primeira sede!

Estreamos PEDRA DE CORAÇÃO

Pedra de Coração

2001

  • Estreamos o primeiro espetáculo:  VIZINHOS DO FUNDO
  • Assassinato do prefeito de Campinas, Antonio dos Santos (Toninho)
  • Queda das torres gêmeas


2000

  • O ano virou e não rolou o bug do milênio, mas
    Matula…
  • A semente: estudantes de Graduação em Artes Cênicas da Unicamp começam um grupo de estudos que no ano seguinte viria a ser batizado como Grupo Matula Teatro