Na Intervenção Jogos Cortazianos, o Grupo Matula Teatro, com direção de Flávio Rabelo, explora exercícios de ressignificação do cotidiano e da cidade, de modo que este cotidiano seja atravessado por elementos inesperados, por outras maneiras de lidar com o tempo, e de olhar o de sempre por outra perspectiva.

A ação ocorre em espaços urbanos, de grande movimentação, aonde quatro artistas/jogadores surgem carregando um cilindro de gás hélio, vestidos em macacões verdes e carregando consigo um fone de ouvido.

Através de composições poéticas, inspiradas na obra de Cortázar, quatro jogadores vestidos de macacões verdes carregam consigo fones de ouvidos e exploram espaços urbanos movimentados na busca pela ressignificação do cotidiano e da cidade. Elementos inesperados convocam a atenção dos passantes para o mundo das pequenas coisas, sobrepondo realidades entre o fantástico e o insignificante.

Na Intervenção Jogos Cortazianos, o Grupo Matula Teatro, com direção de Flávio Rabelo, explora exercícios de ressignificação do cotidiano e da cidade, de modo que este cotidiano seja atravessado por elementos inesperados, por outras maneiras de lidar com o tempo, e de olhar o de sempre por outra perspectiva.

A ação ocorre em espaços urbanos, de grande movimentação, aonde quatro artistas/jogadores surgem carregando um cilindro de gás hélio, vestidos em macacões verdes e carregando consigo um fone de ouvido.

O tempo das ações nessa intervenção não é o tempo de cronos: esses jogadores escutam uma música misteriosa que não é ouvida por quem presencia a ação e dançam pelo espaço, rompendo com o lugar comum. Enchem bexigas que são soltas pelo ar ou amarradas no corpo de outro jogador ou em locais do espaço aonde está acontecendo a ação. Interrompem o tempo/espaço do cotidiano de quem passa pela ação, com questões como “O que dá um pequeno prazer?” “Qual foi a ultima vez que você se sentiu vivo?” “O que você gostaria que desaparecesse de sua vida?”, após essas questões, propõem às eles um jogo (para ganhar a bexiga verde, eles devem escutar um áudio de cerca de 5 min), tornando quem passa pela ação também jogador, recebendo estímulos e dando respostas para esse estímulo

O jogo, portanto, num primeiro momento, se dá pelo estímulo do áudio, que somente os atores escutam e ações que realizam pelo espaço e são testemunhadas por quem presencia. Já num segundo instante o jogo acontece no fato de oferecer um novo áudio à alguém.

E assim seguimos jogando com o momento presente e com tudo o que nos atravessa.

O tempo da ação performática é de 90 min.

Direção: Flávio Rabelo

Jogadores: Alice Possani, Erika Cunha e Quesia Botelho

Produção: Quesia Botelho e Thais Tkatchuk

Criação e idealização: Grupo Matula Teatro

Classificação Etária: Livre

Duração: 90 minutos.

Conheça os outros espetáculos em repertório do Grupo Matula Teatro!