Exilius é resultado de um vasto processo de criação iniciado pela atriz Erika Cunha em 2007, que incluiu a criação de uma dramaturgia própria, uma pesquisa de campo, ainda em curso, em parceria com a Associazione Jaima Sahrawi, além de uma instalação fotográfica do artista Paolo Cattaneo, que acompanha a apresentação.

O espetáculo estreou 2011 no Festival dei Popoli Badia Polesine e circulou pelo Via Rosse Teatro  Vighizzolo D’Este, Padova, Reggio Emilia Romagna, na Itália.

Dentro de um carrinho de mão repleto de areia, uma mulher nos conta histórias. Como nos tradicionais contos das mil e uma noites, fantasia e realidade se entrelaçam nas histórias compartilhadas com o público. A história de um povo, a trajetória de uma mulher, a experiência da atriz que ultrapassou barreiras geográficas para encontrar a realidade de um povo exilado: são os elementos que compõe a dramaturgia de EXILIUS, desvelando a tênue fronteira entre memória e ficção, entre desamparo e esperança, entre o sofrimento do corpo e o desejo de lutar por um novo mundo.

No espetáculo solo EXILIUS, o público é convidado a aproximar-se da atriz, criando um espaço íntimo em que olhos podem se encontrar e compartilhar, por um instante, um espaço que tangencia as fronteiras entre ficção e realidade. A encenação busca na simplicidade dos materiais a força do trabalho da atriz, em uma dramaturgia que mescla a experiência junto aos Saharauis, textos autorais e as provocações dramatúrgicas de Norberto Presta. A partir de um fato verídico, eminentemente político, descobrimos um impulso para uma reflexão sobre o pensamento do exílio em si mesmo, em seu próprio corpo, sobre a identidade em transformação, uma metáfora sobre a resistência.

A exposição fotográfica FRONT(EIRAS), que acompanha o espetáculo, traz imagens dos acampamentos de refugiados Saharauis, localizados no sul da Argélia, feitas pelo fotógrafo italiano Paolo Cattaneo.

Atuação: Erika Cunha

Direção e Iluminação: Alice Possani

Textos: Norberto Presta, Alice Possani e Erika Cunha

Provocação Cênica: Norberto Presta

Figurino e Cenário: Juliana Pfeifer

Trilha Sonora: Silas Oliveira

Fotos: Maycon Soldan

Projeto Gráfico: Estúdio Refeel

Registro Audiovisual: Diego da Costa e Ericson Cunha

Fotos Exposição: Paolo Cattaneo

Exposição Fotográfica Ambientada: Anna Kühl e Bruno Cardoso

Apoio Pesquisa de Campo: Laboratório Cisco e Maria Farinha Filmes

Operação técnica (som, luz, projeção): Alice Possani, Anna Kühl e Bruno Cardoso

Produção: Quesia Botelho

Duração: 50 minutos

Gênero: drama/ documentário

Classificação etária: 14 anos

Tempo de montagem: 6 horas

 

Conheça os outros espetáculos em repertório do Grupo Matula Teatro!