Esse é um grito de mulher, que conta ao mundo que resistimos. Resistimos ao Golpe, resistimos à falta de incentivo à cultura, resistimos ao patriarcado, resistimos à colonização de nossos corpos, resistimos no interior do estado de São Paulo como Grupo de Teatro, como grupo de mulheres fazedoras de arte.

E, por essa resistência, a Boa Companhia e o Grupo Matula Teatro, com o apoio do Grupo Vira\Lats, organizaram a Mostra Independente “O Grito da Medusa”, que acontecerá de 12 a 28 de maio de 2017 no Teatro Útero de Vênus, em Barão Geraldo, com peças teatrais, performances e exposições feitas por mulheres, a partir de temáticas muitas vezes marginalizadas.

Unem-se nessa empreitada: Georgete Fadel, Stella Fischer, Pamela Vilanova, Oriana Del Mar, Ló Guimarães, Bárbara Viçoso e Cassiane Tomilheiro.

cartaz-final

PROGRAMAÇÃO: 

12 /05 - FLUOXETINA__20h__

 FLUOXETINA, REFLEXÕES SENSÓRIO-CÊNICAS SOBRE O USO E PRESCRIÇÃO INDISCRIMINADOS DE ANTIDEPRESSIVOS

IMG_1874Sinopse: Popularmente conhecida como a “droga da felicidade”, a fluoxetina (princípio ativo do Prozac) tornou-se uma das substâncias mais vendidas em todo o mundo, inclusive no Brasil. Proponho o que chamo de “reflexões sensório-cênicas” como crítica à prática da medicalização da vida que favorece a economia farmacêutica ao se apropriar da dor e da vulnerabilidade do ser humano.

Performer: Stella Fischer

Duração: 45 minutos. Classificação etária: livre.

13 /05 - HELENA VADIA__20h__

HELENA VADIA – UMA PERFORMOPALESTRA QUE ABORDA DISCUSSÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE A PARTIR DE UMA NARRATIVA QUE DATA DA PRÉ- HISTÓRIA.

Helena VadiaSinopse:

Trata-se da exploração cênica do mito de Helena, a mulher vadia, erótica, sexualmente ativa. Em meu corpo de atriz são experimentados marcadores de feminilidade e de masculinidade, justamente questionando a dualidade. Tão ambígua quanto Helena, a cena teatral é considerada um campo fértil para a flexibilização do fazer gênero, da performatividade de gênero. Passando pelos dispositivos Drag (Queen, King e Faux) e por algumas simbologias ligadas a feminino e masculino, experimentei outras obras de arte e outros corpos intérpretes para sintetizar o que por fim soou relevante no mito de Helena. Nasce HELENA VADIA: um formato híbrido entre conhecimento do teatro e conhecimento acadêmico (cuidando para não cair na dualidade mais uma vez).

FICHA TÉCNICA: Elenco e direção: Pâmella Villanova; Texto: Pâmella Villanova a partir das obras de Eurípedes, Bettany Hughes, Sophie Chaveau, Jean-Paul Sartre, Valentine de Saint-Point, Homero, Octavio Paz, AnäisNin, entre muitas outras influências; Orientação: Verônica Fabrini.

Duração: 70 minutos. Classificação etária: 18 anos. Contém cena de nudez.

18 /05 - AFINAÇÃO I.__20h__

AFINAÇÃO I

afinação 1Sinopse: Afinação é uma aula ministrada pela personagem, a pensadora e professora francesa Simone Weil. Uma conferência sobre a relação entre a opressão e o sofrimento no mundo e o incrível boicote ao pensamento racional. É tudo sobre a liberdade. São textos de Brecht, Hegel, da própria Simone Weil e algumas citações de Marx que compõem esse momento que pretende ser uma oração à razão. A beleza de conhecer, a possibilidade de através do trabalho sobre o espírito (pensamento), ver o mundo como ele é e habitá-lo com justiça.

O trabalho é de uma crueza e simplicidade cultivadas deixando todo o protagonismo para os movimentos do pensamento. Com muito cuidado, Simone afina as ideias, presentes nos sons e sentidos, e busca com muito fervor, fazê-las existir também no coração do público. Um violoncelo é para Simone, o objeto de expressão dessa afinação sutil.

FICHA TÉCNICA: Direção, Dramaturgia e Atuação: Georgette Fadel; Sobre textos de: Bertolt Brecht, Hegel, Marx e Simone Weil; Produção Executiva e Iluminação: Julia Zakia; Cenografia: Fadel Jacob Fadel; Confecção das cadeiras: Josafá Torquato de Araújo; Colaboração: Luciana Froes.

Duração: 60 minutos. Classificação etária: 14 anos.

19 /05 - EXILIUS__20h__

EXILIUS

EXILIUS_créditos Maycon SoldanSinopse: Dentro de um carrinho de mão repleto de areia, uma mulher nos conta histórias. Como nos tradicionais contos das mil e uma noites, fantasia e realidade se entrelaçam nas histórias compartilhadas com o público. A história de um povo, a trajetória de uma mulher, a experiência da atriz que ultrapassou barreiras geográficas para encontrar a realidade de um povo exilado: são os elementos que compõe a dramaturgia de EXILIUS, desvelando a tênue fronteira entre memória e ficção, entre desamparo e esperança, entre o sofrimento do corpo e o desejo de lutar por um novo mundo.

FICHA TÉCNICA: Atuação: Erika Cunha; Direção e Iluminação: Alice Possani; Textos: Norberto Presta, Alice Possani e Erika Cunha; Provocação Cênica: Norberto Presta; Figurino e Cenário: Juliana Pfeifer; Trilha Sonora: Silas Oliveira; Registro Audiovisual: Diego da Costa e Ericson Cunha; Fotos Exposição: Paolo Cattaneo; Apoio Pesquisa de Campo: Laboratório Cisco e Maria Farinha Filmes; Produção: Quesia Botelho e Thaís Tkatchuk.

Duração: 50 minutos. Classificação etária: 14 anos. Gênero: drama/ documentário

20 /05 - MUJERES VIOLENTAS __20h__

Sinopse: Tudo começa com uma simples palestra sobre a violência contra mulher. Pouco a pouco o discurso vai se adensando, ganhando estranhamento na descrição ritmada de lugares, motivos e maneiras de se violar uma mulher. Logo mais, por meio de uma teatralidade ágil e surpreendente, cenas rápidas vão construindo um mosaico de denúncia, testemunho e crítica sobre o fato das mulheres terem sido historicamente vítimas de violência. Até quando?

FICHA TÉCNICA: Atuação: Verônica Fabrini e Ló Guimarães; Direção e dramaturgia: Cláudia Echenique; Iluminação: Cláudia Echenique; Trilha sonora: Silas Oliveira; Realização: Boa Companhia

 

26 /05 - MULHER EM LUTA – MULHER EM GUERRA __20h__

MULHER EM LUTA – MULHER EM GUERRA

Mulher em lutaSinopse: A peça trabalha a temática do conflito social, político e armado da Colômbia e seu impacto nas mulheres e meninas (já que são as principais vitimas da violência). Traz a problemática do corpo da mulher na guerra; um corpo/objeto, um corpo/lixo, corpo/troféu de guerra, corpo/vingança, corpo/ameaça. Dá a entender como o corpo das mulheres cobra um sentido de território onde se joga a vitória e a derrota da virilidade dos inimigos em termos de honra, vingança ou humilhação. Nesta lógica, os corpos femininos convertem-se em, objeto de controle e de desapreço, representam simbolicamente o poder para os atores violentos e a impotência para as vítimas. A encenação não busca mudar a situação colombiana, nem dos espectadores enquanto suas posições, mas sim busca questionar, provocar uma identificação e trazer um pensamento crítico ante o que está acontecendo em nossos contextos. Enfatizar a importância do fazer, do atuar, encaminhados a contribuir com a defesa dos direitos de gênero.

FICHA TÉCNICA: Criação: Orianadel Mar e Verônica Fabrini; Atuação,Direção e Composição: Orianadel Mar; Poemas: Poetisa Maritze Trigos. Elias José; Música: Grupo Ale Kuma, Cantora Etelvina Maldonado, Totó la Momposina.

Duração: 60 minutos. Classificação etária: 16 anos. Gênero: drama/ documentário

27 e 28 /05 - AGDA __20h__

AGDA

O espetáculo Agda é uma adaptação do conto homônimo de Hilda Hilst.

AGDA_Foto Anabela Leandro (1)Sinopse: A história da mulher que rompe tabus e provoca a ira da comunidade onde vive serve de metáfora para uma reflexão sobre o mundo contemporâneo, cuja lógica mercantilista e violenta não dá espaço à gentileza e ao cuidado, próprios do feminino. Para isso, a encenação serve-se de elementos de teatro e dança, transitando entre a prosa e a poesia, em um delicado jogo de construção e desconstrução de imagens e personagens.

FICHA TÉCNICA: Atuação: Alice Possani, Erika Cunha e Verônica Fabrini. Texto Original: Hilda Hilst. Direção e Adaptação: Moacir Ferraz. Iluminação: Alice Possani e Moacir Ferraz. Figurinos: Juliana Pfeifer e Sandra Pestana. Cenografia: Juliana Pfeifer. Trilha sonora: Mauro Braga e Silas Oliveira; Realização: Grupo Matula Teatro e Boa Companhia

Duração: 60 minutos. Classificação etária: 18 anos. Contém cena de nudez.

 

INGRESSOS: 

Valores dos ingressos > R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia entrada – estudantes e pessoas com mais de 60 anos)

Compra antecipada para todas as peças > R$ 60,00 (promoção valida até 11 de maio)

 

LOCAL: Teatro Útero de Vênus – Rua Edna de Barros Sanches, 79 – Vila Santa Isabel, Barão Geraldo, Campinas/SP.

https://goo.gl/maps/kbVJFsEQ5w22

 

Os eventos acontecem sempre às 20h e a compra de ingressos estará disponível 1 hora antes no local.
Informações e reservas: 19-3305.8372, 98182.4430 ou grupomatulateatro@gmail.com

 

Equipe Técnica

Idealização: Veronica Fabrini

Realização: Boa Companhia (Moacir Ferraz e Veronica Fabrini) e Grupo Matula Teatro (Alice Possani, Erika Cunha, Quesia Botelho e Thais Tkatchuk)

Organização: Grupo Estudos Vira Lats (Alice Possani, Arami Marschner, Erika Cunha, Gyl Giffony, Lis Nasser, Luciana Aires, Luciana Mitkiewicz, Melina Scialom e Veronica Fabrini)

Comunicação: Thais Tkatchuk

Arte Gráfica: Arami Marschner e Camila Faca

Técnico Responsável: Erico Daminelli

Bilheteria: Bárbara Viçoso e Lis Nasser