Pelas rachaduras das paredes, pelo teto destelhado – o primeiro contato entre os alunos-atores e a “casa”

A proposta da oficina montagem “Poéticas da Casa – Projeto de Ocupação, é desenvolver uma formação integrada do artista dentro e fora da cena. Para isso, nossos alunos-atores estão desde o mês de março, num intenso trabalho em sala de trabalho. Imersão necessária para integrar o grupo e elaborar uma base teatral comum a todos.

Neste instante do trabalho, esses princípios continuam sendo investigados, mas soma-se a eles a descoberta dos cômodos da casa. Diferentemente de um curso de interpretação, a oficina montagem tem como proposta a elaboração de um espetáculo que tenha a “casa” (nossa sede) como um dos provocadores dramatúrgicos das cenas.

Nós, do Matula acreditamos que o ator em sala de trabalho ou em cena necessita ser preenchido por uma espécie de tensão entre diferentes forças que se atraem e se opõem. Lugares onde os diferentes elementos: texto, espaço, tempo, ação, personagem, luz, cenário, aproximação com a plateia, etc; possam dialogar e se recombinar de diferentes formas.

Desta forma, a oficina propõe que o corpo seja realmente uma presença concreta e que possa se expandir pelo espaço, onde o ator se movimenta para criar uma poesia própria, interna e pulsante.

A partir desta relação com o espaço, os atores têm dado os primeiros passos por meio de um “mergulho” em outros níveis de interação entre o que é ficção e realidade.

Resta agora descobrir qual é o tema dessa montagem? Olhando as imagens, alguém tem algum palpite?